Além de perpetuar a espécie, o sexo é a grande fonte que move os deleites da humanidade. E quem diria que aqueles que se dedicam a essa prática como se fosse uma prazerosa modalidade esportiva conquistaria também outras benesses para o corpo e para a mente. E para fechar o ano, veja agora 9 motivos para que você não pense duas vezes antes de intensificar suas atividades entre os lençóis:

1 – Proteção cardiovascular

A relação sexual faz um aumento temporário do trabalho cardíaco e da pressão arterial. O sexo funciona como uma espécie de exercício físico, mas tudo com moderação. Além disso, o tempo recomendado para preservar as artérias é no mínimo 30 minutos diários, cinco vezes por semana.

“Durante a relação sexual, como em um exercício físico moderado, há um aumento temporário do trabalho cardíaco e da pressão arterial. Mas nem todo mundo consegue fazer sexo com essa duração e frequência”, explica o cardiologista José Lazzoli, da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

2 – Sexo é eficaz contra a dor

Durante o ato uma porção de substâncias, entre hormônios e neurotransmissores são fabricadas pelo corpo. E uma delas é a endorfina, que aparece também durante os exercícios físicos. Ela é capaz de aliviar sensações dolorosas, dores crônicas na cabeça e nas juntas, quando descarregada pelo orgasmo. Os especialistas acreditam também que endorfina, no sexo, é o maior analgésico do corpo.

3 – Chega de estresse

Uma boa transa é capaz de, praticamente, apagar uma baita tensão do dia-a-dia, não é mesmo? Pois saiba que isso motivou pesquisadores a estudarem mais sobre o caso que revelou que quanto mais intenso for o sexo, melhor.

O estudo da Universidade de Paisley, na Escócia, percebeu que os voluntários que faziam questão da penetração respondiam melhor a situações estressantes. Porém, os especialistas recomendam que o ato não deve ser transformado em uma ‘mera descarga de estresse’, pois as chances de virar algo mecânico, quase obrigatório, são maiores.

4 – E o ego? Fica lá nas alturas

Saiba que transar faz com que o seu terminal de prazer, o cérebro, aproveite em dobro. Basicamente quando a central é constantemente agradada com instintos e emoções, automaticamente o ego é massageado, então a autoestima fica lá em cima porque o indivíduo se sente desejado pelo outro.

“As preliminares também são fundamentais, sobretudo para a mulher, que precisa ser tocada e beijada. A excitação promove uma maior liberação de hormônios, aumentando o tamanho do canal vaginal e as chances de chegar ao orgasmo”, ressalta o ginecologista e obstetra Francisco Anello, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

5 – Chega de gorduras!

É possível manter a boa forma fazendo essa deliciosa atividade entre os lençóis. Homens e mulheres não devem garantir apenas no sexo uma alternativa para eliminar a barriguinha saliente ou definir a silhueta, mas saiba que você pode apostar como um belo aliado da queima de pneus.

“O esforço de uma atividade sexual equivale, em média, a um trote a 7,5 quilômetros por hora. Dependendo da intensidade da relação, é possível queimar de 100 a 300 calorias”, calcula o cardiologista José Lazzoli.

6 – Deixe seu sistema reforçado

Fazer sexo uma ou duas vezes por semana permite que seu sistema fique mais preparado para entrar em combate. Pelo menos é o que os pesquisadores americanos sugerem após compararem amostras de saliva de pessoas sexualmente ativas com as de voluntários que não se aventuram tanto na cama. A conclusão é que quem transava com certa frequência abrigava mais anticorpos. O resultado, no entanto, ainda carece de um consenso entre os médicos. Isso porque, para muitos deles, uma defesa mais a postos não seria fruto da atividade sexual em si.

 

7 – É possível definir alguns músculos

Como a gente disse antes, não adianta depender inteiramente do sexo para queimar uma bela de uma barriga saliente, mas saiba que, dependendo da posição, um ou outro músculo pode ser beneficiado e perfeitamente definido. Acredita-se que seja possível definir as coxas, o dorso e o abdômen. As mulheres ainda saem ganhando com a movimentação dos músculos da vagina.

“Há um aumento do fluxo sangüíneo para a região. Durante o orgasmo, por exemplo, há uma contração dos músculos pélvicos”, conta a fisioterapeuta especialista em urologia Sophia Souto, da Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp, que fica no interior paulista.

8 – Para as mulheres: lubrificação nota 10

Para as damas que se aproximam da menopausa ou já passam pelo referido período, uma dica: saiba que um dos principais reflexos da queda de estrogênio é a falta de lubrificação na vagina, um problema bastante comum que leva à secura nessa região. Já as mulheres que raras vezes se divertem com o companheiro não só sofrem mais com o incômodo como também podem sentir mais dores durante a penetração.

“Mas aquelas que, após essa fase, mantêm relações sexuais tendem a apresentar menos atrofia do órgão genital”, conta a ginecologista Carolina Carvalho Ambrogini, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

9 – Músculos relaxados e uma boa soneca

Por fim, quem pratica sabe que uma noite tranquila também depende de uma cama movimentada. O sexo garante o relaxamento muscular porque o orgasmo que o corpo recebe dispara incontáveis substâncias que não demoram a agir, fazendo com que o indivíduo sinta uma mistura de bem-estar e exaustão.

Com informações da Abril

Comentários

Comentários