A BBC Brasil, revelou detalhes da guerra virtual nas redes sociais durante o período eleitoral. Políticos de todo país, contrataram empresas especializadas em influenciar a eleição, através de Portais de “Notícias” do Facebook para atacar adversários, também utilizavam um exército de perfis falsos e verdadeiros, para orquestrar a desconstrução de adversários e reconstrução da imagem dos contratantes em um programa chamado Hootsuite.

Vários candidatos e políticos eleitos do Amazonas aderiram a essa prática para atacar impiedosamente os adversários políticos, os eleitores deles, e quem ousasse fazer críticas aos contratantes desse serviço. Vários Portais de Notícias supostamente ainda são usados para isso.

Foi criado com isso uma rede de extorsão, onde os políticos contratam o serviço de alguns Portais de notícias, para atacar adversários ou falar bem deles. Esses supostos portais acumulam dezenas de processos na justiça, são acusados de usar páginas do Facebook para denegrir políticos e seus parentes, até mesmo pessoas ligadas a eles, com publicações distorcendo fatos, algumas delas acompanhada de charges, que ridicularizam e tem propósito de dissuadir a confiança das pessoas.

Philip Howard, professor do Instituto de Internet da Oxford, vê os ciborgues como “um perigo para a democracia”. “Democracias funcionam bem quando há informação correta circulando nas redes sociais”, afirma, colocando os fakes ao lado do problema da disseminação das fake news, ou seja, notícias falsas.

A maioria dos processos desses portais de notícias é de publicações caluniosas, difamatórias e injuriosas. De acordo com as denúncias. Os Portais usados no Facebook também tinham o objetivo de extorquir políticos. As chantagens seriam feitas, segundo uma testemunha, através de Charges e matérias postadas na internet, nas quais os atingidos eram chamado para “negociar”. 

É fácil identificar esses Portais de Notícias que atual no Facebook, eles atacam ferozmente alguns políticos, e omitem denuncias de seus contratantes. Quando alguns deixam de pagar eles começam a atacar para forçar o pagamento. Alguns Portais vão mais além, atacam também empresários e até pessoas físicas de poder aquisitivo alto.

A reportagem cita o nome do senador Eduardo Braga (PMDB-AM) como um dos clientes da empresa que usava os Portais de Notícias e um exercito de perfis falsos e verdadeiros. Na eleições, como a de 2016, quando Braga apoiava o candidato Artur Virgílio (PSDB-AM).

Uma fonte que trabalhou para Eduardo Braga contou que o exército virtual atuava diretamente de uma mansão no conjunto Morada do Sol, depois em uma sala comercial no Edifício Morada Office no mesmo bairro, depois em duas salas sediadas no Skye Platinum Offices, na cidade de Manaus.

Decisão do TRE-AM

Nas eleições 2017, um blog de Manaus foi suspenso por 48 horas pelo TRE-AM, em decisão do corregedor eleitoral João Simões. Há indícios de abuso do uso dos meios de comunicação em favor da campanha do candidato Eduardo Braga (PMDB).

Eduardo Braga tentou sair do processo dizendo que não tinha nenhum envolvimento com o referido site, o corregedor negou a saída de Braga do processo.

A denuncia do candidato Amazonino Mendes, citou Blogs de Manaus  que “atacam” todos os adversários menos Eduardo Braga. A coligação de Amazonino monitorou as postagens do Facebook entre os dias 17 de julho a 1º de agosto deste ano.

A coligação de Amazonino indicou que publicações, ora anônimas e ora patrocinadas (o que é proibido pela legislação eleitoral), podiam configurar abuso do poder econômico e do uso dos meios de comunicação.

Empresa acusada 

A reportagem da BBC Brasil agora vem confirmar que Martinha Braga, que é sobrinha do Senador Eduardo Braga, é acusada de comandar com mão de ferro esse trabalho. O funcionário do Braga, chamado Wagner Cunha auxiliava Martinha, através da empresa Comunix, onde ele é sócio, de desenvolver esse trabalho através de militância e portais do Facebook.

Image captionCada funcionário seria responsável por controlar de 20 a 50 perfis falsos | Ilustração: Kako Abraham/BBC

Leia a matéria completa da BBC Brasil aqui

 

Comentários

Comentários