Manaus|AM – A paciente Débora Carvalho Chalco, de 23 anos, grávida de oito meses denuncia a médica Ana Maria Montenegro Dourado, de humilhar seu acompanhante, e acusa o marido dela, Cesar Kuhnert Dourado, que também é médico, de apertar seu braço com força e empurrá-la contra a parede, e também de ter dado socos no acompanhante dela na sala de ultrassonografia. O fato teria ocorrido na última terça-feira, 08/05, dentro da Maternidade Ana Braga, no bairro Zumbi, zona leste da capital. 

Adriano Junior Barreto Pereira, 32, disse que ele acompanhava a esposa. Segundo ele, a grávida havia se sentado em uma cadeira porque estava perdendo líquido e não poderia ficar em pé. Ainda assim, ele disse que a médica o destratou para que ele saísse e o marido dela o agrediu para retirá-la a força.

“A médica sem ao menos responder com “Boa tarde” e sem ao menos nos olhar apontou para mim e disse, – Você fora! Em tom Alto, minha esposa olhou para mim e pediu para que eu continuasse ali e mais uma vez com a vista voltada para os papéis ela repetiu, – Você fora!!!, em um tom mais alto ainda que a primeira vez, a minha esposa questionou porque eu não poderia ficar ali, pois era um direito dela, ela mais uma vez em tom grosseiro e sem nos olhar e batendo na mesa disse, – Aqui não! Eu disse, – Por favor fale baixo, aqui não tem ninguém gritando, Você pode nos olhar e explicar o porque não posso permanecer aqui?, Antes mesmo que ele terminasse de concluir a pergunta ela desta vez gritou, – Você, não! Me chame de doutora, eu estudei para ser doutora!!!, eu disse que ela não merecia tal tratamento, neste momento esta médica disse que iria chamar os seguranças, eu e minha esposa dissemos que sim ela poderia chamar a vontade, foi quando na sala entrou o marido dela, que também é médico obstetra, que ao entrar na sala a medica disse, – Olha amor o que ele está fazendo comigo.!!! Sem ao menos saber o que estava acontecendo este médico partiu para cima de mim, deferindo empurrões e socos, e minha esposa no intuito de me tirar daquela situação se meteu na frente do médico para que ele parasse de me agredir, foi quando o pior aconteceu, o médico pegou forte pelos braços da minha esposa e empurrou contra a parede, ela gravida de 8 meses. Logo em seguida ela passei muito mal, a pressão dela subiu a 18×12, ficou com falta de ar! Foi acolhida por uma enfermeira que a deixou em repouso e com oxigênio”, disse ao Amazonas News.

Veja o relato da vítima:

Vídeo após as agressões

 

Comentários

Comentários