Otimista com a renovação política a partir desse ano, a jovem e moderna entusiasta de mobilizações sociais, grande líder de jovens e mulheres, que mapeou duzentos mil amazonenses após coordenar institucionalmente programas federais para baixa renda, é um dos nomes que surgem como potenciais candidatos para as eleições de 2018.

Carol, como é chamada Caroline Pinheiro, é separada, mãe de uma menina de quatro anos, residente da zona oeste de Manaus, assídua em rodas de conversas com políticos, sempre foi articuladora em campanhas majoritárias e coordenadora de jovens nestas. Espírito conciliador, discurso e visão política de centro direita, estudou Relações Públicas e Direito, hoje é membro do LOLA, Ladies of Liberty Alliance, grupo internacional com sede em Washington DC, nos Estados Unidos, que lidera e incentiva a participação de mulheres na política dentro da visão neo liberal. Foi filiada por quase dezoito anos no PSDB, porém a ex tucana alçou voou e hoje ainda não divulga seu partido, apenas diz que sua idéia é transformar amor em ação através da solidariedade.

Discreta, fluente em inglês e espanhol, tendo representado o Estado em diversos eventos, entregou seu cargo de Gestora de Políticas Públicas de Juventude do Amazonas em virtude da mudança na pasta.

Carol, trás no seu DNA a criação da lei que deu origem à Zona Franca de Manaus (ZFM) que foi idealizada pelo Deputado Federal Francisco Pereira da Silva, seu tio bisavô, e criada pela Lei Nº 3.173 de 06 de junho de 1957, como Porto Livre.

Sobre eleições não há nada definido, informa, há apenas a vontade supra partidária de percorrer as cidades que merecem cuidados e atenção para o melhor desenvolvimento do Amazonas.

Entre especulação e realidade aguardaremos a confirmação de uma possível candidata à Câmara dos Deputados Federais.

Segundo Carol, “Uma campanha é uma época de colher o que se plantou durante toda sua vida, não de plantar” e se for da vontade de todos poderemos sim, se não neste mas em próximas construir uma possível candidatura para representar o Amazonas.

Em seus discursos sempre usa o jargão: “vamos juntos, somos muitos.” Será que teremos mais mulheres na política? Vamos aguardar.

Comentários

Comentários