Mais de 60 comunidades ribeirinhas que vivem às margens dos rios Negro e Amazonas, no município de Manaus, acabam de ganhar o reforço de duas Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSFs) que começam a operar, efetivamente, no início do mês de julho. A inauguração das unidades foi realizada na manhã desta segunda-feira, 25/6, no Porto Organizado, Centro Histórico de Manaus, pelo prefeito Arthur Virgílio Neto e o secretário municipal de Saúde (Semsa), Marcelo Magaldi.

Cada uma das UBSFs vai atender uma das calhas de rio, em uma extensão de 150 quilômetros, a partir de Manaus para o rio Negro, e 150 quilômetros, para o rio Amazonas. Levando todos serviços oferecidos pela Semsa e pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no atendimento básico, como vacinação, consultas medidas de várias especialidades, exames, farmácia e atendimento odontológico. As duas unidades custaram, aproximadamente, R$ 5 milhões – R$ 2,5 milhões, cada – e foram financiadas pelo SUS em 80% e pela Prefeitura de Manaus em 20%.

“Esses barcos vão ficar 20 dias por mês singrando as águas do rio Negro e do rio Amazonas, levando atenção absoluta. É uma UBS tipo 2, significa duas equipes de estratégia da saúde da família atuando e eu tenho muito orgulho disso”, destacou o prefeito.

Atualmente, o atendimento das comunidades ribeirinhas é feito por apenas uma embarcação, que permanece sete dias em cada uma das calhas. Com a entrada das duas UBSFs e o aumento do número de dias em que permanecerão nas comunidades, a capacidade de atendimento será triplicada.

Durante a inauguração, que contou com a presença da primeira-dama Elisabeth Valeiko, do deputado federal Arthur Bisneto, o ex-deputado estadual e presidente do PC do B Eron Bezerra, vereadores e outras autoridades, foram feitos os cortes das fitas, descerramentos das placas de homenagem e o tradicional batismo, com a quebra de champanhe no casco dos barcos, simbolizando uma boa e longa jornada.

Comentários

Comentários