Manaus – Serviços de beleza, incentivo para ingressar no mercado de trabalho, atividades recreativas e solidariedade marcaram a ação social #PorElas, que aconteceu neste sábado (23/3), na Escola Maria Rodrigues Tapajós, no bairro Redenção, zona centro-oeste, e reuniu mais de 80 mulheres venezuelanas – indígenas e não-indígenas.

O projeto é uma parceria do Sidia – Instituto de Ciência e Tecnologia, com o Governo do Amazonas por meio da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) e Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), Instituto Mana, Centro Universitário do Norte (Uninorte), Global Green, Hermanito e o Serviço Jesuíta a Migrante e Refugiados (SJMR).

Os interessados em doar alimentos e roupas para os refugiados podem procurar o Posto Avançado de Atendimento Humanizado ao Migrante, na rodoviária de Manaus, bairro Flores, zona centro-sul, das 8h às 17h. 

A Organização Não Governamental (ONG) Hermanito e o Serviço Jesuíta a Migrante e Refugiados (SJMR) estiveram no evento para fazer cadastro de currículos. 

Criada em janeiro deste ano, a ONG Hermanito concentra, no site hermanito.org, desde cursos profissionalizantes até possibilidades para os venezuelanos ingressarem no mercado de trabalho. “Já conseguimos inserir 15 pessoas no mercado de trabalho e tem, inclusive, empresas de São Paulo com solicitação de profissionais”, comenta Patrícia Pilatti, tesoureira da ONG.

O Serviço Jesuíta a Migrante e Refugiados (SJMR), companhia internacional presente em 52 países e 15 anos de atuação no Brasil, também faz cadastro de currículo e conta com uma equipe que dialoga com as empresas locais para viabilizar a inserção de refugiados no mercado formal. 

Comentários

Comentários